A PRIMAVERA JÁ CHEGOU!!! Mas sem cocó na cidade, pf… (2ª parte)

Como já comentamos no post anterior, a Primavera é para Tula e para mim a estação mais bonita do ano…

O Clube da Tula

Mas com o calor que começa chegar, voltam aparecer #pulgas, #carraças e #mosquitos: por isso, já está na altura de voltarmos usar as #pipetas protectoras. A de #Advantix garante protecção contra o mosquito, a diferença da de #Frontline. Mas cuidado! #Advantix começa reduzir os seus efeitos a partir dos 15 dias de colocada, portanto deveremos colocar uma nova cada 4 semanas, ou antes… Nunca como nestes casos foi tão útil usar o calendário do iPhone para nos lembrar destas coisas tão importantes…

Na Primavera também chega a época em que a Câmara municipal faz as campanhas de fumigação e fertilização dos parques: assim, é muito necessário atender aos nossos cães durante as caminhadas com eles, e não deixar que comam erva, mesmo que pareçam estar a precisar de o fazer… Poderiam intoxicar-se se o fizerem, portanto, muito cuidado e não se relaxem durante os passeios!!!

Por outra parte, na primavera, até mais do que no verão, temos muita mais vontade de sairmos andar com os nossos cães. Mas esse espírito “primaveral” não nos exime das nossas responsabilidades cívicas. Hoje vou referir-me a uma delas: LEVANTAR A COCÓ DOS NOSSOS CAES!!!

E, neste sentido, nem sequer quero acordar o civismo a partir da legislação, que é muito clara. Como se pode ler no Código regulamentar do Porto, por exemplo: “Com excepção, das pessoas com deficiência, quando acompanhadas por cães de assistência, os proprietários ou acompanhantes de animais devem proceder à limpeza e remoção imediata dos dejectos destes animais na via ou outros espaços públicos, sendo que os dejectos devem ser acondicionados de forma hermética, com vista a evitar qualquer insalubridade e ser depositados nos recipientes e equipamentos referidos no Artigo C-1/6.º.” (Código Regulamentar do Porto, Título III, Capítulo II, Secção I, Art. C-3/15º, que podem bem consultar em: https://cmpexternos.cm-porto.pt/crmp/, seguindo o caminho: Código-versao actual-parte c: ambiente).

Mas, pergunto: acaso alguém precisa saber que existe uma normativa que nos obriga a levantar as fezes do nosso cão para o fazer? Acaso não é uma necessidade cívica que o nosso espírito nos impõe? Por isso, prefiro apelar ao civismo antes que aos artigos e secções de um Código, cuja existência, no entanto, agradeço e muito.

Para o caso que nem o civismo ou a normativa cheguem para cativar ao leitor para apanhar a cocó do seu cão com um saquinho, dou mais uns dados que podem mudar a atitude e motivar a realizar esta nobre tarefa (que, mesmo que não pareça, forma parte também do ritual de passear com o nosso cão):

O Clube da TulaAs fezes de cão NAO são fertilizantes do solo (de facto, são completamente tóxicas para este): portanto, esqueça a escusa de “eu não as levanto porque assim contribuo com o ambiente”;

O Clube da Tula As fezes de cão podem ser portadoras de inúmeras bactérias, nomeadamente: E. Coli, Salmonella, e até mesmo parvovirus (se o cão que fez a cocó estava infectado). Imagine, então, o foco infeccioso que está a iniciar quando olha para outro lado enquanto o seu cão faz cocó, para fazer de conta que não se apercebeu… O seu próprio cão pode ser prejudicado por actos irresponsáveis desse género…

O Clube da Tula As fezes de cão contêm bactérias que podem produzir asma e alergias nos humanos, segundo um estudo da University of Colorado. As bactérias podem até chegar à agua de consumo diário…

Quer dizer, não estamos apenas a falar do desconforto que sentimos quando queremos passear o nosso cão sem sentirmos que estamos a atravessar um campo minado que pode explodir a qualquer momento. Também não estamos a falar da frustração quando pisamos a cocó de um cão desconhecido 30 segundos após ter levantado a do nosso cão. Não me refiro tampouco ao cuidado especial que devemos ter após um período de chuva, que faz com que as cocós sejam mais difíceis de distinguir e mais fácil de nos apanhar por surpresa…

Espero, em nome da Tula e do meu, que formamos O Clube da Tula, que este post ajude a mudar consciências. Tenho certeza que quem o leu é porque já é um ser cívico. Mas partilhá-lo pode servir para que aqueles que olham para outro lado enquanto o seu cão faz cocó num parque, ou num passeio de 60 cm de largura (onde as fezes são impossíveis de evitar), comece a sentir curiosidade por agir como as regras cívicas nos pedem que ajamos.

Mais um dado: um saquinho de 30 sacos plásticos custa no supermercado Froiz 0,60 €. Portanto, também não serve a escusa de “A Câmara Municipal do Porto não fornece os saquinhos e o dispensador estava vazio…”

Num próximo post, seremos mais “picuinhas” e falaremos de como ajudar ainda mais o ambiente com saquinhos ecológicos…

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *